O que é metaverso? O futuro segundo Mark Zuckerberg

COMPARTILHAR:

A busca pelo Metaverso tem se tornado uma empreitada fascinante, na qual gigantes como Facebook e Microsoft se destacam como participantes proeminentes. Contudo, compreender o que, de fato, constitui esse conceito emergente é crucial. Neal Stephenson, renomado autor, merece créditos pela criação do termo “Metaverso”. Sua obra icônica, “Snow Crash”, publicada em 1992, apresentou uma visão vanguardista, projetando avatares interagindo em edifícios 3D realistas e outros ambientes de realidade virtual.

Ao longo do tempo, diversas evoluções tecnológicas abriram caminho para a materialização desse conceito inovador. O Metaverso é conceituado como um espaço virtual online que integra elementos de realidade aumentada, realidade virtual, avatares holográficos em 3D, vídeo e outras formas de mídia. À medida que o Metaverso se expande, promete oferecer um mundo surreal alternativo, proporcionando a coexistência em uma experiência única.

A ideia de um Metaverso não é totalmente estranha para quem já se aventurou nos vastos mundos dos jogos online, como Fortnite, Minecraft e Roblox. Nestes cenários, a presença de elementos metaversais já se faz sentir. Empresas por trás desses jogos agora assumem, com ambição notável, um papel ativo no desenvolvimento do Metaverso, vislumbrando um futuro onde os limites entre o virtual e o real se tornarão cada vez mais indistintos. Este fenômeno não só redefine a forma como interagimos com a tecnologia, mas também sinaliza uma revolução iminente na maneira como concebemos e experimentamos a realidade digital.

O que é metaverso?

O Metaverso, em sua essência, representa um universo digital multifacetado que entrelaça diversos elementos tecnológicos, como realidade virtual, realidade aumentada e vídeo, proporcionando aos usuários uma imersão completa nesse reino virtual. Vai além de uma simples interação, permitindo que os usuários não apenas participem, mas “vivam” de maneira autêntica nesse ambiente digital.

Os entusiastas do Metaverso vislumbram uma experiência abrangente, onde os usuários podem não apenas trabalhar e se divertir, mas também manter conexões sociais significativas. Essa visão transcendente abarca desde a realização de shows e conferências até a possibilidade de viagens virtuais que transcendem fronteiras geográficas. É uma concepção que vai além dos limites tradicionais da internet, promovendo uma nova era de interação digital e experiências imersivas.

Matthew Bauer, sócio-gerente da empresa de capital de risco Epyllion Industries, expressou essa ideia de forma perspicaz ao afirmar que estamos, atualmente, à beira do próximo estágio evolutivo da internet. Suas palavras, compartilhadas em um artigo publicado em fevereiro de 2021, ecoam a expectativa e o entusiasmo que cercam o Metaverso, indicando que estamos prestes a testemunhar uma transformação significativa na forma como vivenciamos e participamos do mundo digital.

Quando podemos ver isso?

 

A visão do Metaverso se desenha no horizonte, e Mark Zuckerberg, CEO da recém-renomeada Meta (antigo Facebook), prevê que serão necessários de cinco a dez anos para que os recursos fundamentais desse universo digital se popularizem. Contudo, já vivenciamos a materialização de alguns elementos do Metaverso nos dias atuais.

Com a implementação de velocidades de banda larga ultrarrápidas e a disseminação de fones de ouvido de realidade virtual, bem como a criação de mundos online persistentes, alguns aspectos desse novo paradigma digital já estão em pleno funcionamento. No entanto, é importante notar que essas tecnologias podem não estar acessíveis a todos neste momento, pois o desenvolvimento e a democratização dessas inovações estão em estágios iniciais. O futuro promissor do Metaverso começa a se delinear, e embora alguns elementos já estejam presentes, a disseminação completa dessas experiências aguarda seu momento de se tornar uma realidade acessível a todos.

Formação Python Onebitcode

Quais são alguns exemplos a respeito do metaverso?

Veja o que aconteceu hoje que pode levar ao Metaverso de amanhã:

Meta

O gigante da tecnologia, anteriormente conhecido como Facebook, investiu pesadamente em realidade virtual, incluindo a aquisição da Oculus em 2014.

A Meta prevê um mundo virtual no qual avatares digitais usam fones de ouvido de realidade virtual para se conectar no trabalho, viagens ou entretenimento.

Zuckerberg sempre foi otimista em relação ao metaverso.

Pensando que ele pode substituir a Internet como a conhecemos. Mark Zuckerberg, CEO da Meta, finalmente disse:

” A próxima plataforma e meio será ainda mais imersiva e incorporada à Internet. Onde você está na experiência, não apenas olhando para ela, e chamamos isso de metaverso.”

Mark Zuckerberg

Um mês depois do a empresa mudou seu nome.

Microsoft

A gigante do software já usa hologramas e desenvolve aplicativos de realidade híbrida e estendida (XR).

Por meio da plataforma Microsoft Mesh, que combina o mundo real com realidade aumentada e realidade virtual.

Portanto, no início deste mês, a Microsoft anunciou planos para introduzir realidade mista (incluindo hologramas e avatares virtuais) no Microsoft Teams em 2022.

Dessa forma, também em funcionamento no próximo ano: espaços virtuais 3D interconectados que podem ser usados ​​em lojas e locais de trabalho.

O Exército dos EUA está atualmente trabalhando com a Microsoft para desenvolver um fone de ouvido Hololens 2.

São fones de realidade aumentada para os soldados treinarem, ensaiarem e lutarem.

MiniCurso Sujeito Prog Banner Dinâmico

Além disso, o Xbox Live já conecta milhões de jogadores de videogame em todo o mundo.

Épic games

Tim Sweeney, o CEO da empresa que desenvolveu Fortnite, disse: “Não é segredo que a Epic está investindo na construção do metaverso.”

Então, é realizando concertos de nomes como Ariana Grande e Travis Scott, trailers de filmes e estreias musicais e até mesmo uma reinvenção “imersiva” do histórico discurso “I Have A Dream” de Martin Luther King Jr. em 1963, em 1963.

Ele está usando seu MetaHuman Maker para desenvolver humanos digitais realistas, que pode ser sua maneira de personalizar avatares digitais em futuros jogos de mundo aberto.

Roblox

A plataforma, fundada em 2004, abriga dezenas de jogos gerados por usuários, incluindo ofertas de RPG como Bloxburg e Brookhaven.

Onde os usuários podem construir casas, trabalhar e jogar cenários. Roblox agora está avaliado em mais de US $ 45 bilhões depois de abrir o capital este ano.

No dia de seu IPO em março, o fundador e CEO da Roblox David Baszucki tuitou um agradecimento a todos que ajudaram a trazer a plataforma “um passo mais perto de cumprir nossa visão do #Metaverse.”

Desde então, Roblox se associou à empresa de calçados para skate Vans para criar o Vans World.

Um parque virtual de skate onde os jogadores podem se vestir com roupas novas da Vans e abriu um jardim Gucci limitado.

Onde você pode experimentar e comprar roupas e acessórios para seu eu virtual.

Minecraft

Outro universo virtual amado pelas crianças, o Minecraft, de propriedade da Microsoft.

hostinger banner

É essencialmente o equivalente digital do Legos, onde os jogadores podem criar seu próprio personagem digital e construir o que desejarem.

Em agosto, o Minecraft ostentava mais de 140 milhões de usuários ativos mensais. Durante a pandemia, sua popularidade explodiu entre as crianças que dependiam mais de conexões virtuais.

Dessa forma, algumas empresas menos conhecidas lançaram seus próprios mundos online. O mundo de fantasia online Second Life, fundado em 2003, está em sua segunda década como uma realidade alternativa.

O paraíso online Nowhere possui espaços virtuais persistentes e temporários – para uso público ou privado – para a realização de concertos, festivais, reuniões e conferências.

The Windmill Factory, produtora de Nova York que começou a desenvolver a plataforma há mais de um ano, fez projetos para Lady Gaga e Nine Inch Nails.

Portanto, o Sensorium Galaxy no início deste ano abriu os dois primeiros de sua galáxia planejada de vários “mundos” on-line conectados.

Assim, explorando com fones de ouvido VR ou computadores de mesa. Prism, o primeiro a abrir, envolve música – DJs e bandas virtuais tocam, por exemplo – em paisagens futurísticas.

Leia também: O que é SEO (Otimização para motores de busca)?

COMPARTILHAR:
brayan

Brayan Monteiro

Bacharel em Sistemas de Informação pela Faculdade Maurício de Nassau e desenvolvedor PHP. Além de programador, produzo conteúdo e gerencio blogs. Sou especialista em desenvolvimento de software, SEO de sites e em negócios digitais.