O que é Kubernetes? Um guia completo para iniciantes

COMPARTILHAR:

Nos últimos anos, a gestão de contêineres se tornou essencial para a implementação eficiente de aplicativos em larga escala. Nesse cenário, o Kubernetes emergiu como uma peça fundamental na orquestração e gerenciamento de contêineres. Se você é novo no mundo da computação em nuvem e desenvolvimento de software, este artigo é um guia essencial para compreender o que é o Kubernetes e por que ele se tornou uma ferramenta indispensável para muitas empresas. Vamos mergulhar no fascinante universo do Kubernetes.

1. Origens e História do Kubernetes

O Kubernetes, frequentemente abreviado como K8s, teve sua origem no mundo da tecnologia de contêineres. Em meados da década de 2000, a tecnologia de contêineres começou a ganhar destaque, oferecendo uma forma mais eficiente de empacotar e distribuir aplicativos juntamente com suas dependências. No entanto, à medida que os desenvolvedores adotavam contêineres, surgiu a necessidade de uma solução que pudesse gerenciar eficientemente esses contêineres em ambientes de produção complexos.

Desafios Iniciais e Nascimento do Kubernetes

Desafios na Orquestração

Gerenciar manualmente contêineres em escala significativa tornou-se uma tarefa desafiadora. Era preciso coordenar a implementação, escalabilidade, monitoramento e atualizações de aplicativos contidos em contêineres.

O Google e o Borg System

O Kubernetes teve suas raízes no sistema interno do Google chamado Borg, que foi desenvolvido para orquestrar e gerenciar contêineres em larga escala. O Borg foi a inspiração para a criação do Kubernetes, fornecendo os princípios e as práticas que mais tarde seriam fundamentais para a orquestração de contêineres em escala global.

Nascimento do Kubernetes

Lançamento Open Source

O Kubernetes foi lançado como um projeto de código aberto em 2014 pelo Google, contribuindo para a Cloud Native Computing Foundation (CNCF). Isso marcou o início de uma comunidade diversificada e colaborativa de desenvolvedores, engenheiros e empresas que buscavam criar uma plataforma robusta e flexível para orquestração de contêineres.

Contribuições da Comunidade

Desde então, o Kubernetes tem experimentado um crescimento exponencial, com contribuições significativas de grandes empresas como Red Hat, Microsoft, IBM, e muitas outras. A comunidade ativa desempenhou um papel crucial na evolução constante do Kubernetes, expandindo suas funcionalidades e aprimorando sua estabilidade.

Leia também: Fullstack Javascript Onebitcode vale a pena?

2. O que são Contêineres?

Contêineres são unidades leves e portáteis que encapsulam um aplicativo e suas dependências, permitindo que ele seja executado de maneira consistente em diferentes ambientes. Em contraste com máquinas virtuais, os contêineres compartilham o kernel do sistema operacional hospedeiro, o que os torna mais eficientes e rápidos de inicializar.

Como Funcionam os Contêineres?

Isolamento de Recursos

Os contêineres utilizam recursos do sistema operacional, como namespaces e cgroups, para garantir o isolamento entre eles. Isso significa que um contêiner não interfere nos recursos de outros contêineres em execução no mesmo host.

Portabilidade

A principal vantagem dos contêineres é sua portabilidade. Um contêiner pode ser empacotado com todos os componentes necessários, como bibliotecas e configurações, garantindo que o aplicativo seja executado da mesma maneira em diferentes ambientes, desde o desenvolvimento até a produção.

Exemplo Prático

Considere um aplicativo web construído em uma linguagem específica, como Node.js, e que depende de uma versão específica do banco de dados. Empacotar esse aplicativo em um contêiner garante que todas as bibliotecas, dependências e configurações necessárias estejam encapsuladas. Assim, desenvolvedores podem garantir que o aplicativo se comporte da mesma maneira tanto no ambiente de desenvolvimento, onde eles estão construindo e testando, quanto no ambiente de produção, onde o aplicativo é implantado para atender aos usuários finais.

Orquestração de Contêineres

Embora os contêineres por si só ofereçam muitos benefícios, a orquestração se torna crucial quando lidamos com grandes quantidades de contêineres em ambientes de produção. É aqui que o Kubernetes entra, gerenciando automaticamente a implementação, escalabilidade e operações de contêineres em larga escala. O Kubernetes permite que os desenvolvedores se beneficiem da flexibilidade dos contêineres sem lidar com a complexidade associada à gestão manual de milhares de instâncias.

Leia também: Zsh vs. Bash: comparando os dois principais shells de linha de comando

3. Conceitos Fundamentais do Kubernetes

Ao mergulhar no universo do Kubernetes, é fundamental compreender alguns conceitos-chave que formam a base dessa poderosa plataforma de orquestração de contêineres.

Nodes e Clusters: Entendendo a Infraestrutura Básica

Nodes

Em terminologia Kubernetes, um Node é uma máquina física ou virtual que integra o cluster. Cada Node executa agentes necessários para a gestão de contêineres, incluindo a comunicação com o Master e a execução de Pods.

Cluster

Um Cluster é um conjunto de Nodes que trabalham em conjunto. Ele representa o ambiente operacional onde os contêineres são implantados e gerenciados. Os Clusters garantem alta disponibilidade e escalabilidade.

Pods: A Unidade Fundamental de Implementação

Pods

Os Pods são a unidade mais pequena e básica no mundo do Kubernetes. Eles representam um ambiente de execução para contêineres. Um Pod pode conter um ou mais contêineres, compartilhando o mesmo espaço de rede e armazenamento. Então, essa abordagem facilita a comunicação entre contêineres dentro do mesmo Pod.

Exemplo Prático

Imagine um aplicativo web composto por dois contêineres: um para a aplicação em si e outro para o banco de dados. Então, em vez de implantar esses contêineres separadamente, podemos encapsulá-los em um único Pod, garantindo que compartilhem recursos e possam se comunicar eficientemente.

Leia também: Como carregar imagens lentamente usando HTML e JavaScript

Services: Como os Aplicativos se Comunicam no Ambiente Kubernetes

Services

Os Services fornecem uma abstração que permite que os Pods se comuniquem uns com os outros, independentemente de sua localização física no Cluster. Sendo assim, eles garantem uma comunicação confiável e facilitam a descoberta dinâmica de serviços em ambientes em constante mudança.

Exemplo Prático

Suponha que temos vários Pods executando instâncias idênticas de um aplicativo web para lidar com o tráfego. Portanto, um Service pode ser configurado para encaminhar automaticamente as solicitações para qualquer Pod disponível, garantindo a distribuição equitativa da carga.

Portanto, compreender esses conceitos é essencial para criar e gerenciar eficientemente aplicativos no Kubernetes. Então, cada elemento desempenha um papel crucial na criação de ambientes de contêineres altamente escaláveis, resilientes e fáceis de manter.

Leia também: Introdução a Data Access Objects (DAO)

4. Arquitetura do Kubernetes

A arquitetura do Kubernetes é fundamental para entender como essa plataforma orquestra a implementação e o gerenciamento de contêineres em ambientes distribuídos. Então, vamos explorar os componentes principais que compõem essa arquitetura.

Componentes Principais do Kubernetes

Master

O Master é o cérebro do cluster Kubernetes. Ele supervisiona e controla todas as atividades dentro do ambiente. Três componentes principais compõem o Master:

  • API Server: Expõe a API do Kubernetes.
  • Controller Manager: Mantém o estado desejado do sistema.
  • Scheduler: Distribui os contêineres nos Nodes com base nos requisitos e políticas.

Nodes

Cada Node é uma máquina que executa contêineres e faz parte do cluster. Os Nodes executam os seguintes componentes:

  • Kubelet: Mantém a saúde do Node e executa Pods.
  • Kube Proxy: Facilita a comunicação entre os Pods e o mundo externo.
  • Container Runtime: Responsável por executar os contêineres, como Docker ou containerd.

Leia também: Código limpo em PHP

Como os Componentes Interagem

O fluxo de trabalho típico envolve o Master recebendo comandos por meio da API, como a criação de um Pod. O Controller Manager assegura que o estado desejado é mantido, enquanto o Scheduler decide em qual Node o Pod será implantado. O Kubelet em cada Node garante a execução correta dos Pods, e o Kube Proxy facilita a comunicação de rede.

Exemplo Prático

Imagine um cluster Kubernetes composto por três Nodes. Um desenvolvedor envia uma solicitação para implantar um novo aplicativo, representado por um Pod, por meio da API do Kubernetes. Então, o Controller Manager verifica e mantém o estado desejado (o número de réplicas do aplicativo). O Scheduler decide em qual Node implantar o Pod, considerando a carga de trabalho existente. O Kubelet em cada Node garante que os Pods estejam em execução corretamente, enquanto o Kube Proxy facilita a comunicação entre os Pods e o mundo externo.

Portanto, compreender essa arquitetura é essencial para operar eficientemente ambientes Kubernetes e aproveitar ao máximo seus recursos de orquestração de contêineres.

Leia também: Desvendando o ORM: O que é Mapeamento Objeto-Relacional?

5. Declarative Configuration e Scaling

Um dos princípios fundamentais do Kubernetes é a abordagem declarativa para a configuração e escalabilidade de aplicativos em contêineres. Portanto, essa abordagem permite que os usuários descrevam o estado desejado do sistema, e o Kubernetes se encarrega de implementar e manter esse estado, garantindo consistência e automação.

Configuração Declarativa

Manifestos YAML

No Kubernetes, a configuração é expressa por meio de manifestos YAML. Esses arquivos descrevem recursos como Pods, Services e Deployments, especificando suas características, dependências e relações. Então, a abordagem declarativa permite uma fácil compreensão do estado desejado do sistema.

apiVersion: v1
kind: Pod
metadata:
  name: meu-pod
spec:
  containers:
  - name: meu-container
    image: minha-imagem:latest

No exemplo acima, um manifesto YAML declara a criação de um Pod com um contêiner.

Leia também: As 8 melhores ferramentas para testar a velocidade do seu Site

Escalabilidade Automática

Horizontal Pod Autoscaler (HPA)

A escalabilidade automática é uma característica poderosa do Kubernetes. O HPA ajusta dinamicamente o número de réplicas de um Pod com base na carga de trabalho. Por exemplo, podemos configurar o HPA para aumentar ou diminuir o número de réplicas de um aplicativo com base na utilização da CPU.

apiVersion: autoscaling/v2beta2
kind: HorizontalPodAutoscaler
metadata:
  name: meu-aplicativo-hpa
spec:
  scaleTargetRef:
    apiVersion: apps/v1
    kind: Deployment
    name: meu-aplicativo
  minReplicas: 2
  maxReplicas: 10
  metrics:
  - type: Resource
    resource:
      name: cpu
      target:
        type: Utilization
        averageUtilization: 50

No exemplo acima, o HPA é configurado para ajustar o número de réplicas com base na utilização média da CPU, mantendo entre 2 e 10 réplicas.

Exemplo Prático

Suponha que um aplicativo experimente picos de tráfego em determinados momentos do dia. Utilizando a configuração declarativa, os desenvolvedores podem descrever a infraestrutura necessária em um manifesto YAML. Além disso, configurando um HPA, o Kubernetes ajusta automaticamente o número de réplicas para lidar com o aumento de carga, garantindo uma experiência consistente para os usuários.

Essa abordagem simplifica a gestão operacional, permitindo que os desenvolvedores foquem na definição do estado desejado do sistema, enquanto o Kubernetes se encarrega da execução e adaptação contínua. Esses conceitos são fundamentais para a eficiência operacional em ambientes escaláveis e dinâmicos.

6. Ferramentas e Recursos Adicionais:

Explorar o ecossistema de ferramentas e recursos adicionais no contexto do Kubernetes é essencial para otimizar a experiência de desenvolvimento, implantação e operação de contêineres. Sendo assim, vamos mergulhar nesse universo e destacar algumas ferramentas cruciais.

kubectl: A Interface de Linha de Comando

kubectl

Essa é a principal ferramenta de linha de comando para interagir com clusters Kubernetes. Com o kubectl, os usuários podem criar, modificar e gerenciar recursos no Kubernetes. Então, exemplos comuns incluem a criação de Pods, a expansão ou redução de réplicas e a execução de comandos dentro dos contêineres.

kubectl get pods
kubectl create deployment meu-aplicativo --image=meu-repositorio/meu-aplicativo:latest

Helm: Gerenciamento de Pacotes para Kubernetes

Helm

O Helm simplifica o gerenciamento de aplicativos Kubernetes por meio da criação, compartilhamento e implementação de “charts” – pacotes pré-configurados de recursos Kubernetes. Isso facilita a padronização e a reutilização de configurações complexas.

helm install meu-aplicativo ./meu-chart

Leia também: Construindo uma API GraphQL com Laravel e Lighthouse

Marketplace de Aplicativos e Recursos Adicionais

CNCF e Kubernetes Ecosystem:
A Cloud Native Computing Foundation (CNCF) mantém um ecossistema diversificado de projetos e ferramentas relacionadas ao Kubernetes. Do monitoramento à segurança, diversas soluções podem ser exploradas para atender a necessidades específicas.

Exemplo Prático

Imagine que você está implantando um aplicativo complexo com vários serviços interdependentes. Utilizando o Helm, você pode criar um chart que define todos os recursos necessários. Portanto, ao implantar o chart, o Helm garante que todos os componentes sejam configurados corretamente, proporcionando consistência e reprodutibilidade em diferentes ambientes.

Além disso, explorar o marketplace de ferramentas CNCF pode revelar soluções prontas para monitoramento, logs, e segurança que se integram perfeitamente ao seu ambiente Kubernetes.

Essas ferramentas adicionais não apenas simplificam tarefas operacionais, mas também contribuem para a eficiência, a segurança e a confiabilidade de sistemas Kubernetes em produção. Dessa forma, ao aproveitar esses recursos, os desenvolvedores podem concentrar seus esforços na inovação e no desenvolvimento de aplicativos, deixando a gestão operacional nas mãos dessas ferramentas especializadas.

7. Estudos de Caso

Explorar estudos de caso reais é uma maneira valiosa de entender como o Kubernetes é aplicado na prática, impulsionando a eficiência e a escalabilidade de sistemas complexos. Então, vamos examinar alguns exemplos inspiradores de organizações que adotaram o Kubernetes com sucesso.

Leia também: Comparação entre Wamp, LAMP, MAMP e XAMPP

Google: O Berço do Kubernetes

Origens no Google

O Kubernetes teve seu início no Google, onde foi desenvolvido para gerenciar contêineres em larga escala. O Google utiliza o Kubernetes internamente para diversos serviços, incluindo o Google Cloud Platform (GCP). Portanto, isso destaca a confiabilidade e a escalabilidade que a plataforma oferece, mesmo em ambientes de nuvem altamente demandantes.

Spotify: Escalabilidade na Entrega de Conteúdo

Gerenciamento de Microserviços

A Spotify adotou o Kubernetes para gerenciar sua arquitetura orientada por microserviços. Então, com milhões de usuários em todo o mundo, o Kubernetes proporcionou à Spotify a capacidade de escalar dinamicamente, otimizando a entrega de conteúdo de maneira eficiente e confiável.

Mercado Livre: Agilidade e Confiabilidade

Escalabilidade para Bilhões de Requisições

O Mercado Livre, um dos maiores marketplaces online da América Latina, implementou o Kubernetes para orquestrar seus contêineres. Então, essa mudança permitiu uma escalabilidade notável, possibilitando lidar com bilhões de requisições diárias de maneira eficiente e segura.

Esses estudos de caso destacam como o Kubernetes se tornou uma ferramenta essencial para empresas de diferentes setores, capacitando a entrega confiável e escalável de serviços digitais. Portanto, ao examinar essas histórias de sucesso, é possível obter insights valiosos sobre as práticas recomendadas e os benefícios tangíveis que o Kubernetes oferece em ambientes do mundo real.

Leia também: 7 melhores plugins de otimização de velocidade para WordPress

Conclusão

Portanto, à medida que o Kubernetes se torna cada vez mais onipresente no mundo do desenvolvimento de software, é crucial compreender seus conceitos fundamentais e benefícios. Dessa forma, este guia abrange desde as origens do Kubernetes até sua arquitetura e casos de uso práticos. Então, ao dominar o Kubernetes, você estará preparado para enfrentar os desafios de implementação e gerenciamento de aplicativos em contêineres, levando suas habilidades de desenvolvimento para o próximo nível. Então, este é apenas o começo de uma jornada emocionante no universo do Kubernetes.

Leia também: O que é SOLID?

COMPARTILHAR:
brayan

Brayan Monteiro

Bacharel em Sistemas de Informação pela Faculdade Maurício de Nassau e desenvolvedor PHP. Além de programador, produzo conteúdo e gerencio blogs. Sou especialista em desenvolvimento de software, SEO de sites e em negócios digitais.