4 riscos de NFTs que você simplesmente não pode ignorar

COMPARTILHAR:

Um NFT (token não fungível) é uma maneira de token ativos em um blockchain, dando aos ativos digitais uma identidade única. Essa identidade blockchain exclusiva pode ser vinculada a bens digitais, como ativos em videogames, peças de arte e até mídia como música e memes.

Os NFTs estão profundamente polarizadores. Algumas pessoas adoram a ideia de “possuir” a foto fofa do Doge, no estilo Myspace. Outros se preocupam com as implicações subjacentes mais sombrias que um mercado virtual pode eventualmente trazer à luz.

Há muito o que amar nos NFTs, mas ignorar os riscos que os acompanham é tolice, assim como em qualquer outra área da vida. Portanto, continue lendo para obter alguns pensamentos que podem fazer você pensar duas vezes antes de comprar um.

Você pode ser enganado

O comércio eletrônico, em um sentido geral, sempre foi uma espécie de jogo de apostadores. É por isso que vendedores respeitáveis ​​como a Amazon atingiram níveis de superpotência de onipotência – se não estamos pegando o produto da prateleira, como podemos saber se o negócio é legítimo?

Sem um nome e um rosto em quem confiar, a internet realmente se torna uma espécie de faroeste. Existem muitas maneiras de ser enganado ao comprar um NFT :

  • Mercados falsos
  • Vendedores falsos (muitas vezes se passando por artistas reais e vendendo cópias de seus trabalhos por uma fração do preço do original)
  • Vendedores não verificados

Todos os itens acima serão motivo de preocupação para os compradores, mas e os investidores? Se você é um investidor anjo, deve ser especialmente cauteloso com projetos fraudulentos e “artistas” pouco confiáveis ​​tentando ficar rico rapidamente.

Qualquer coisa que pareça suspeitamente barata ou boa demais para ser verdade não deve ser algo que você busca mais. Mas, assim como em todas as áreas de e-com, onde o capitalismo reina supremo, você sempre encontrará alguém tentando progredir de forma nefasta.

Leia também: O que é NFT?

NFTs são ruins para o meio ambiente

A criptomoeda mudou muito em nosso mundo, mas um problema que não pode ser varrido para debaixo do tapete é o impacto inquestionavelmente negativo da indústria no meio ambiente. Os computadores que geram esses dados de blockchain são executados constantemente e com uma capacidade muito alta.

Uma dupla empreendedora chegou ao ponto de quantificar exatamente quanta energia esses conceitos de prova de trabalho realmente consomem. Eles descobriram que é mais oneroso para o meio ambiente minerar criptomoedas do que minerar cobre, ouro e platina. Eles também estimaram que entre janeiro de 2016 e junho de 2018, somente a mineração de criptomoedas contribuiu entre 3 milhões a 15 milhões de toneladas de emissões de CO2 para nossa situação ambiental atual.

Ambientalistas criticam outras indústrias e pesos pesados ​​por externalidades ambientais negativas dessa magnitude; por que aqueles que fazem o mesmo em criptografia devem ser uma exceção?

Leia também: O Que É Tecnologia?

NFTs não são arte e não protegem artistas

Estudantes da velha escola de arte moderna costumam argumentar que os Van Goghs e os Dalís de nosso tempo nunca viram a luz do dia “porque as crianças de hoje são preguiçosas”. Isso é meio verdade, mas a ética de trabalho não é necessariamente a culpada – o dinheiro é.

Alguma quantidade de sucesso no mundo dos NFTs certamente se resume a pura sorte. A dona do filhote de Doge provavelmente não esperava que uma foto aleatória de seu cachorro valesse mais de US$ 4 milhões em 2021, para citar um exemplo esquisito. Pode-se certamente argumentar que a mesma noção se aplica igualmente ao mundo da arte como existe atualmente, mas não necessariamente.

Se você pegar um estádio cheio de pessoas e mostrar a todos eles alguns memes sucessivamente, provavelmente poderá ter alguma ideia daqueles que fariam rir, digamos, todos os homens nas arquibancadas, ou de todos dos membros da classe trabalhadora.

Esse tipo de “opinião popular” existe por um bom motivo: muitos de nós compartilhamos os mesmos problemas na vida. Os pobres riem do gordo, fumando seu charuto sozinho em opulento conforto. Os ricos ridicularizam as massas sujas, perdidas em sua própria ignorância e circunstância. Todo mundo odeia alguma coisa na vida, e quando duas pessoas odeiam a mesma coisa, elas se relacionam por causa disso e desenvolvem um léxico.

A diferença entre arte “popular” e belas artes: a arte popular satiriza a experiência humana como a vemos e a vestimos hoje, menosprezando coisas que tememos e desprezamos, ajudando-nos a passar o tempo. As belas artes atuam como um farol de luz, nos afastando da frivolidade do passado, em direção a um futuro mais brilhante e mais justo. Eles desempenham duas funções totalmente diferentes na sociedade. Quando confundimos um com o outro, degradamos moralmente e sofremos.

Não estamos dizendo que a arte de baixo nível não pode ou não deve existir. Argumentamos que esses empreendimentos menos sérios não devem ser mantidos em primeiro plano, especialmente à custa da cultura real. Quando você incentiva exclusivamente emoções baratas e piadas fáceis, a arte se torna um jogo de soma zero. Ele foi roubado de seu propósito.

Quem decide o que deve ser considerado arte “real”? Em um sentido ideal, curadores, os mais humanos entre nós, trabalhando com autenticidade e com o coração. Na realidade, porém, quem decide geralmente acaba sendo aquele que tem condições de comprar. Oferta e demanda é um conceito muito simples; se um artista vê que produzir algo bobo, barato ou genérico é suficiente para ser pago, eles geralmente nunca procuram ir além do capricho e fantasia de quem está assinando a linha pontilhada.

Os NFTs podem ser usados ​​para incentivar os artistas mais dedicados, sinceros e honestos do mundo a produzir as melhores obras de suas vidas. Em vez disso, estamos trocando figurinhas de cyberpunks digitais como estudantes do ensino médio.

Se os poderes constituídos (ou seja, aqueles com pilhas de dinheiro que mudam o jogo) decidirem investir exclusivamente em NFTs Nyan Cat, Rembrandt morrerá de fome e o futuro nunca terá a chance de se lembrar dele e se envolver com seu trabalho.

Leia também: Os 5 melhores sites de mineração de criptografia na nuvem

Você nunca realmente “possui” um NFT

O valor é consuntivo por definição? Se uma imagem pode ser apreciada por milhões de pessoas, ela é valiosa da mesma forma que uma maçã? Apenas uma pessoa recebe a maçã, e o mesmo certamente pode ser dito em favor de uma definição mais tradicional de arte – um único pedaço de tela ou uma única escultura, concedida a um único colecionador.

Então a velha piada continua: por que eu iria querer comprar a Mona Lisa por US$ 860 milhões quando eu poderia apenas olhar uma foto dela na Wikipedia de graça? Você não precisa necessariamente possuir uma propriedade intelectual para aproveitá-la da mesma forma. Mas isso é roubar? Se sim, de quem estamos roubando? O “dono” da obra de arte ou a pessoa que a criou?

Para os pequenos como nós, em nossas vidas mesquinhas e breves, essas consequências serão em grande parte invisíveis, delegadas para aqueles que herdarão o que criamos juntos. O que todas essas posições individuais do consumidor representam no longo prazo coletivamente?

O estado da economia em um determinado momento, sem dúvida, acaba sendo a base da sociedade, pelo menos no sentido moderno. Nós nos tornamos quem nos esforçamos para ser todas as manhãs, por assim dizer, e nossas vozes continuam.

Nosso pensamento de despedida aqui não é que colecionáveis ​​NFT divertidos e populares devam ser proibidos; na verdade, não poderíamos imaginar uma perda de tempo maior. Em vez disso, precisamos repensar a melhor forma de explorar esse conceito, não apenas para nosso próprio entretenimento, mas para o amanhã, e talvez o dia seguinte também.

Pão, Circo e Fumaça na Água

As experiências são desprovidas de valor inerente? Afirmar essa noção é descartar setores inteiros de nossa economia, como a indústria da música, como bobagem.

Nesse sentido, precisamos enfatizar que só porque muitos NFTs são alegres em termos de conteúdo criativo não significa que eles não sejam algo que não precisamos levar a sério como artistas, investidores e tecnólogos em um sentido geral— pelo contrário.

A economia não funciona como um motor de física em um videogame; ele funciona com o que as pessoas podem pagar e o que elas procuram ativamente uma vez que suas necessidades mais básicas tenham sido atendidas. Nós mesmos somos os árbitros do valor, e com grandes poderes vêm grandes responsabilidades.

Em economia, não há como dizer às pessoas o que elas devem fazer. Eles vão seguir o caminho de menor resistência e, com cada dólar ganho e gasto, colocamos outra telha diante de nós. Minha riqueza se baseia em sua riqueza; os que eventualmente ganham essa riqueza são os que acabam sobrevivendo e criando o futuro, para melhor ou para pior.

Leia também: Segurança de infraestrutura e política como código
COMPARTILHAR:
brayan

Brayan Monteiro

Bacharel em Sistemas de Informação pela Faculdade Maurício de Nassau e desenvolvedor PHP. Além de programador, produzo conteúdo e gerencio blogs. Sou especialista em desenvolvimento de software, SEO de sites e em negócios digitais.